quinta-feira, julho 06, 2006

E tudo era possível


Graça Morais, Barquinho das ilusões, 1973
Óleo sobre tela, 118 X 69 cm

E TUDO ERA POSSÍVEL

Na minha juventude antes de ter saído

da casa de meus pais disposto a viajar

eu conhecia já o rebentar do mar

das páginas dos livros que já tinha lido


Chegava o mês de maio era tudo florido

o rolo das manhãs punha-se a circular

e era só ouvir o sonhador falar

da vida como se ela houvesse acontecido


E tudo se passava numa outra vida

e havia para as coisas sempre uma saída

Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer


Só sei que tinha o poder duma criança

entre as coisas e mim havia vizinhança

e tudo era possível era só querer


Ruy Belo, Homem de Palavra[s]

Lisboa, Editorial Presença, 1999 (5ª ed.)